Ok, não era verão ainda, mas não me lembro de ter passado tanto frio nos últimos tempos, como passei em São Francisco no último feriadão do Memorial Day.

Aproveitamos os quatro dias de folga – tiramos mais um floating holiday para poder passear um pouquinho mais – para conhecer um pedacinho da Califórnia. O tempo estava horroroso e minha garganta estava gritando, pedindo socorro, com o tanto que ventava naquela cidade. Mas apesar disso, posso dizer que amei São Francisco, do pouquinho que deu para conhecer. Uma cidade urbana, contemporânea, mas ao mesmo tempo com praia.

Chegamos lá numa quinta à noite e a única coisa que achamos aberta perto do nosso hotel para comer às 11 horas da noite foi o Cheesecake Factory. Gosto do restaurante, mas preferia ter comido num lugar diferente. O hotel que ficamos chamava Triton, era bem localizado e tinha desconto pra funcionários MS (oba!).

Na sexta, começamos o dia com um café da manhã no Café de La Presse. Como o dia estava horroroso, aproveitamos para fazer um walking tour pelas casas vitorianas. Foi bem bacana. No final do tour, achamos um lugar bem charmosinho para almoçar chamado Rose’s Café. Depois pegamos o carro e fomos numa surf shop (surf, viu Cris?) que o Marcelo queria ver pranchas. Saindo de lá, já que estavámos perto do Golden Gate Park, aproveitamos para passear por lá, com direito a cházinho no Japanese Tea Garden para se esquentar.

À noite, fomos jantar num restaurante mediterrâneo bem legal chamado Cortez (que ainda por cima aceitava Prime). Serviço meio lento, mas curtimos mesmo assim.

Sábado foi dia de ir para Napa Valley, uma região que produz vinhos reconhecidos mundialmente (recomendo que assistam o filme Sideways que se passa nessa região). Portanto, era dia de encher a lata – ops, digo, de degustar vinhos! Saímos do inverno de São Francisco para o verão de Napa em apenas algumas horas. Quase morri de calor. Provavelmente era alta estação por lá, porque nenhuma vinícola queria dar vinho de graça – com exceção da Sutter Home. Gostei dos vinhos tintos na Beringer (que estava bem em conta o wine tasting – $5) e obviamente dos espumantes na Chandon. O almoço no Tra Vigne ajudou a dar uma recuperada para continuar o tour. No final do dia, já nem conseguia mais diferenciar o que era vinho bom de vinho ruim. À noite, fomos jantar no Frisson, um restaurante/lounge bem transadinho (que tb aceitava o Prime). Como não aguentavámos mais vinho, só pedimos uma tacinha de vinho para o jantar. Acontece que no final do jantar, a garçonete chegou com duas taças de uma cava espanhola dizendo "Happy anniversary!". Ela se confundiu, mas não ia retirar as taças da gente, então mais vinho! Acabou sendo o melhor do dia!

To be continued… 

PS: assim que der coloco as fotos no Flickr.

Anúncios